sexta-feira, 30 de novembro de 2018

Atualização do IBOV – Dezembro de 2018 – Rumo aos 100 mil pontos. Será?







No dia de hoje, última jornada de novembro, o IBOV atingiu a marca dos 90 mil pontos pela primeira vez na história.

O caminho natural do IBOV seria continuar em alta nos próximos dois meses, dezembro e janeiro, e quem sabe atingir ou romper os 100 mil pontos. O cenário interno de otimismo no Brasil sugere esse rumo.

Os gráficos de preços nas periodicidades diária e semanal também fortalecem essa trajetória, especialmente após o IBOV romper uma figura gráfica de continuidade no gráfico diário (triângulo) e o fortíssimo fechamento no gráfico semanal no dia de hoje.






Mas confesso que alguns aspectos me incomodam, veja:

1.      Os estrangeiros continuam fortemente vendidos no mercado à vista e no mercado futuro, e por outro lado, comprados em dólares.

2.      Em geral o mês de dezembro é positivo para as bolsas (sazonalidade), mas às vezes essa premissa não é confirmada, e observamos fortes movimentos de queda, como aquele ocorrido em 2015.

3.      Os índices americanos, apesar da recuperação recente, estão em clara tendência de baixa no curto prazo.

4.      S&P: fique atento ao suporte e a resistência, em 2.600 e 2.800 pontos, respectivamente, pois o rompimento dos mesmos podem desencadear movimentos bruscos direcionais.

5.      As commodities metálicas e o petróleo tiveram forte queda nas últimas semanas, o que limitou a valorização da Vale e da Petrobrás. O rumo das commodities no próximo mês pode ditar a direção do IBOV. Curiosidade: mesmo com a forte queda do barril de petróleo, de 80 para 50 dólares, as ações da Petrobrás ficaram relativamente estáveis, o que mostra muita resiliência do ativo – fator de muito otimismo.

6.      A reunião do G20 em Buenos Aires pode ser o combustível extra para o movimento de curto prazo, especialmente se houver uma trégua na guerra comercial entre a China e os EUA, o que favorecerá a alta das bolsas.

7.      Por último, uma questão gráfica importante: existe uma clara divergência de alta entre alguns indicadores técnicos e o movimento dos preços no gráfico diário, especialmente o MACD e o OBV. Sem entrar em detalhes técnicos, uma alta consistente nos preços, usualmente é seguida por tais indicadores, o que não está acontecendo. Fato preocupante!

Posto isto, é hora de aproveitar o movimento de alta, mas com alguma cautela. E fique muito atento ao movimento da primeira semana de dezembro, ele pode ser decisivo para os dois próximos meses.

MJR

* As opiniões postadas no blog são apenas posições do autor sobre o tema, e não constituem em si, recomendações de compra ou venda de ativos.




sexta-feira, 9 de novembro de 2018

Atualização – O que esperar do IBOV para as três próximas semanas de novembro?




Desde o fim das eleições, nas duas semanas seguintes, o IBOV ficou no zero-a-zero. Fechou no dia de hoje em 85.641 pontos. Na véspera do segundo turno, sexta-feira, a cotação era praticamente a mesma, 85.719 pontos.

Apesar do resultado final, a volatilidade do IBOV foi intensa nestas duas semanas. Abriu em GAP de alta na segunda-feira pós-eleição e depois recuou de maneira aguda no mesmo dia. Em seguida, subiu fortemente por quatro dias, acompanhando o exterior, e a partir da última terça-feira, devolveu todo o ganho.

Alguns pontos importantes:

1.      Apesar do cenário interno favorável para os ativos de renda variável, o mercado externo continua complicado. Se por lá “azedar” de vez, o IBOV não sairá ileso.

2.      Aqui no Brasil, os estrangeiros seguem fortemente vendidos no mercado à vista e no mercado futuro. Enquanto isso não mudar, o IBOV não irá muito longe. Relembrando, os estrangeiros representam 52% dos investidores da B3.

3.      Os grandes fundos nacionais também estão subalocados em bolsa.

4.      A possibilidade de retomada da economia local é muito provável nos próximos meses (anos), o que impulsionará o mercado de ações.

5.      Repito que estamos apenas no terceiro ano de ganhos na bolsa. O ciclo de alta da bolsa iniciado em janeiro de 2016 ainda tem muito chão pela frente.

6.      O objetivo de longo prazo continua incalculável. A cotação atual do IBOV em dólares está em 22.838 pontos. Para que se tenha uma ideia, em 2008, a cotação máxima do IBOV foi de 45 mil dólares. Em geral, após longos períodos em baixa, as bolsas costumam se multiplicar nos períodos seguintes de alta, superando em muito os topos anteriores. Por exemplo, a bolsa brasileira, do fundo em 2002 até o topo em 2008, subiu cerca de 770%.



Posto isto, acredito que as quedas recentes são ótimas oportunidades de aumentar a posição em ações. Em minha opinião o IBOV até pode retomar a alta em breve, mas ainda tem espaço para recuar um pouco mais até os 80 mil pontos (média móvel de 200 períodos do gráfico diário, média móvel de 21 períodos do gráfico semanal e linha inferior do canal de alta).  Essa segunda hipótese me parece a mais provável para o mês de novembro. Aguardemos.

E nunca podemos esquecer que recuos mais intensos podem ocorrer mesmo numa forte tendência primária de alta (BULL MARKET). Por outro lado, ganhos expressivos também podem ocorrer a qualquer momento. Portanto, aplique aos poucos e não fique de fora da bolsa, e nem tente adivinhar os fundos.

Bons investimentos.

MJR

* As opiniões postadas no blog são apenas posições do autor sobre o tema, e não constituem em si, recomendações de compra ou venda de ativos.



sexta-feira, 26 de outubro de 2018

A vitória do Bolsonaro está precificada ou não no IBOV?




Antes de tudo, é bom lembrar que até esse momento, dois dias antes das eleições, a vitória de Jair Bolsonaro é muito provável. Somente um “Tsunami”, nas palavras de Montenegro do Ibope, poderá reverter a grande vantagem do Capitão. Assim, esqueçamos essa possibilidade, pois se ocorresse, seria um “banho de sangue” na próxima semana e a Bovespa teria Circuit-Breaker de repetição.

Bom, voltemos ao cenário mais provável, a eleição do líder nas pesquisas. Aqui, temos a grande questão: a vitória de Bolsonaro já estaria precificada no IBOV, haja vista que costumeiramente o mercado antecipa as notícias: “sobe no boato e cai no fato”.

Após ler a opinião de vários gestores e analistas nas últimas semanas, e comparar com meus estudos  do movimento dos preços neste período, acredito que o IBOV pode disparar na próxima segunda com a vitória de Bolsonaro.

Veja os principais motivos para a minha opinião:

1.       O evento em si é muito RELEVANTE, significa “sepultar” o modelo econômico que colocou o país na maior crise da história.

2.       O mercado claramente embarcou na onda Bolsonaro. Isso ninguém discute.

3.       Após a forte alta do IBOV na segunda-feira após o primeiro turno, os preços recuaram desde então. Ainda não houve euforia no segundo turno.

4.       Um dos motivos para o recuo do IBOV é a forte queda dos mercados americanos. Isso segurou a valorização do índice local.

5.       Uma questão psicológica: uma coisa é um evento ser provável, outra bem diferente, é o fato estar consumado. Em eventos binários isso faz muita diferença.

6.       Mesmo com a alta do IBOV nos últimos 34 meses, desde janeiro de 2016, a participação dos fundos de investimentos locais na Bovespa ainda é muito pequena. E, desde fevereiro de 2018, o fluxo dos estrangeiros também é negativo.

7.       Desde o pico em dólares deste ano, o IBOV caiu mais de 34%, até o fundo em meados de setembro. Mesmo com a alta recente, ainda temos uma queda de 15% em relação ao topo de fevereiro.

8.       O número de contratos em aberto no mercado futuro para o IBOV está em níveis baixos, não condizentes com cenários de incerteza.

9.       E, por último, percebo claramente que a maioria dos gestores e analistas, locais e internacionais, estão otimistas com a economia brasileira e, por conseguinte, com o desempenho dos ativos brasileiros.

Posto isto, concluo que, na minha visão, poderemos ter uma forte alta na bolsa de valores. Por quanto tempo isso durará? Eu não sei. Vai depender da montagem do próximo governo e das medidas que serão propostas e anunciadas.

Mas lembre-se, no mercado financeiro, não existem certezas, e sim probabilidades. Uma vitória da esquerda pode arrasar os ativos brasileiros, pelo menos num primeiro momento. E outra, o mercado pode abrir em alta na segunda-feira, e recuar fortemente em seguida. 

Aguardemos o domingo e a próxima segunda!

MJR



* As opiniões postadas no blog são apenas posições do autor sobre o tema, e não constituem em si, recomendações de compra ou venda de ativos.




domingo, 30 de setembro de 2018

IBOV – Atualização outubro 2018 – Gráficos versus urnas.




Pelo gráfico diário, o IBOV está em alta. Após romper o canal de baixa nos dias 17 e 18 de setembro, o índice segue com muita força. Primeiro objetivo: 82 mil pontos. Segundo: 88 mil pontos. Terceiro: 94.600 pontos (projeção de Fibonacci).

Na periodicidade semanal, o rompimento dos 82 mil pontos, gerará um pivot de alta, ratificando as projeções do gráfico diário.

Até o dia de hoje, 30/09, as pesquisas apontam um provável segundo turno entre os candidatos Bolsonaro e Haddad. Sem entrar no mérito de cada candidato, o mercado financeiro já mostrou que a vitória de Jair Bolsonaro impulsionará o IBOV nos próximos meses.

Há algum consenso entre os especialistas que atual patamar do IBOV (80 mil pontos) reflete uma vantagem de 55 a 45% de Bolsonaro sobre Haddad. Posto isto, o resultado das urnas poderá confirmar as perspectivas gráficas.

E se o candidato do PT começar a virar o jogo? A bolsa poderá cair fortemente. A perda dos 74 mil pontos deverá ser o primeiro sinal. Outros suportes imediatos: 69 mil pontos e 60 mil pontos (um recuo ainda mais forte é possível).

E o dólar? Com a vitória de Bolsonaro a moeda americana cairá num primeiro momento para algo entre 3,60 e 3,80 reais, segundo alguns analistas. A vitória do PT provocará uma disparada da moeda: no mínimo 5,0 reais, em minha opinião.

E os juros futuros? No momento em que eu escrevo os juros futuros para 2025 estão cotados em 11,75% (lembrando que a Selic está em 6,50%). Os juros seguirão o caminho do dólar, isto é, se Bolsonaro ganhar, juros em queda, se Haddad vencer, juros em alta. Simples assim.

Mais uma vez, o que estou escrevendo é apenas uma constatação de mercado, e não um julgamento subjetivo. Basta rever as reações do mercado aos últimos acontecimentos, em agosto e setembro.

O que fazer com seus investimentos antes das eleições? Pelos motivos acima citados, de uma maneira simplista e objetiva, acredito que todo investidor deveria ter os seguintes ativos em carteira: bolsa brasileira, dólares, NTNBs (títulos públicos mistos: juros prefixados + correção pelo IPCA) e “caixa”. Entende-se por caixa, a aplicação financeira em renda fixa com liquidez imediata e pós-fixada (Tesouro Selic e Fundos DI). A composição de cada ativo na carteira dependerá do perfil do investidor, do horizonte do investimento e do controle emocional. “Sinais, forte sinais”, como diria um candidato à presidência.

MJR



* As opiniões postadas no blog são apenas posições do autor sobre o tema, e não constituem em si, recomendações de compra ou venda de ativos.





domingo, 16 de setembro de 2018

Bovespa sem rumo, à espera das eleições.




O principal índice do mercado brasileiro encontra-se “travado” entre os 74 e 78 mil pontos. Acredito que até o surgimento de um sinal mais confiável sobre o desfecho eleitoral, o IBOV ficará nessa lenga-lenga.

Graficamente, na periodicidade diária, estamos claramente nessa congestão, mas o viés de baixa. Veja o gráfico inicial: perceba que os preços estão oscilando num canal de baixa – linha paralelas em vermelho. O rompimento dos extremos do canal pode ser o primeiro sinal da futura tendência do IBOV.

Enquanto isso o dólar americano atingiu o maior patamar da “era pós-real”. A escalada do dólar reflete o cenário internacional de fortalecimento global da divisa americana e também do cenário local incerto: a compra de dólares é um hedge natural em períodos de incerteza.

Sempre é bom lembrar que a alta do dólar deixa o IBOV ainda mais barato, pois 50% dos investidores da Bovespa são estrangeiros. O IBOV em dólares caiu mais de 34% em relação ao topo de fevereiro de 2018. Uma queda expressiva.

Alguns especialistas apontam que a bolsa poderá corrigir até os 60 mil pontos, numa eventual vitória da esquerda, ou romper a barreira dos 100 mil pontos, caso algum candidato reformista seja eleito.

Posto isto, claramente o divisor de águas é a eleição presidencial. Assim, mais três a seis semanas, a direção do IBOV será conhecida.

Todavia, fique muito atento. O mercado financeiro caminhará para um dos lados antes do fim do pleito eleitoral. Desta forma, os investidores mais arrojados devem se posicionar o quanto antes. Para os mais céticos e desconfiados, aguardar um pouco mais pode ser a decisão mais sábia, mesmo que paguem um pouco mais por isso.

60 ou 100 mil pontos em dezembro de 2018? A sorte está lançada.

MJR

* As opiniões postadas no blog são apenas posições do autor sobre o tema, e não constituem em si, recomendações de compra ou venda de ativos.




sexta-feira, 24 de agosto de 2018

A escalada do dólar





Desde o fundo em janeiro de 2018 o dólar subiu frente ao real mais de 30%. O dólar futuro saiu de R$ 3,12 para R$ 4,12, no momento em que escrevo. Talvez o dólar americano seja o ativo mais difícil de ser previsto. Mesmo especialistas renomados proferem previsões equivocadas. Comento a seguir algumas ponderações relevantes:

1 = A cotação da moeda americana é um “consenso mundial”. Ela não é determinada pelos players locais. O aumento da moeda americana em 2018 foi generalizado. O aumento significativo do “Dólar Índex” comprova isso, haja vista que esse índice é a relação do dólar americano frente a uma cesta de moedas internacionais. Veja o gráfico a seguir. Vários analistas tentam explicar o movimento de alta, mas nem sempre a explicação é óbvia. Não obstante a isso, alguns fatores me chamam a atenção. Primeiro, a economia americana continua com maior força em relação aos demais mercados globais, especialmente ao europeu. Segundo, no início do ano um membro do governo americano “sugeriu” que a economia americana poderia se beneficiar de um dólar mais fraco. Daí, investidores globais apostaram fortemente na queda. Como ela não ocorreu e o dólar começou a subir, esses investidores foram “estopados” nas suas operações (eles optam por encerrar a transação no prejuízo, evitando perdas maiores) e, consequentemente, isso acelerou o movimento de alta. No jargão do mercado esse movimento é chamado de “short squeezing”. Por último, a guerra comercial deflagrada por Donald Trump em 2018 fortalece ainda mais a moeda americana.  



2 = A taxa de câmbio no Brasil é livre desde o ano de 1998. O Banco Central atua nos momentos de estresse, mas seu poder é muito limitado, ao contrário de que muitos pensam. O mercado global é muito mais poderoso do que qualquer banco central.

3 = Um ataque especulativo mais intenso ao real, a princípio, é menos provável, e isso se deve a alguns motivos: o Brasil tem uma considerável reserva cambial (cerca de 370 bilhões de dólares); a maior parte da dívida do Governo Federal é interna, não dolarizada; e, atualmente, a balança comercial não gera déficits importantes. Posto isto, o Brasil possivelmente não viverá momentos de “caos cambial” como os ocorridos recentemente na Argentina e na Turquia.

4 = Todavia, as eleições no Brasil agravam o cenário do câmbio. Como a situação fiscal no Brasil continua muito delicada, o meio que o mercado financeiro encontra para se proteger é através do câmbio e dos juros futuros. Ambos dispararam nos últimos meses. Somente para vocês terem uma noção, enquanto a Taxa Selic está em 6,5% ao ano, os juros futuros para 2025 estão em 12,2%. Quase o dobro! Isso mostra o atual pessimismo dos operadores do mercado financeiro com a economia brasileira, especialmente pelo gigantesco déficit fiscal das contas públicas.

Após essas colocações, qual o cenário do dólar mais provável para os próximos meses? Acredito que o viés continue de alta e a volatilidade deve aumentar consideravelmente, pelo menos até o pleito eleitoral. Se elegermos um presidente “reformista”, a moeda tenderá a recuar no médio e longo prazo (caminhará para os três reais), haja vista que a economia local vai se recuperar e o cenário externo também deverá ajudar nesse sentido. Em contrapartida, a ascensão de algum candidato da esquerda nas pesquisas eleitorais ou mesmo a eleição de um deles pode fortalecer ainda mais o dólar frente ao real. Neste cenário, alguns economistas sugerem que o dólar pode bater a casa dos sete reais ou mais. O que fazer? Como sempre, mantenha uma parte de seu portfólio atrelada diretamente ao dólar americano.

MJR

* As opiniões postadas no blog são apenas posições do autor sobre o tema, e não constituem em si, recomendações de compra ou venda de ativos.


terça-feira, 31 de julho de 2018

Atualização mensal do IBOV – Agosto 2018




No começo do mês, comentei que o caminho mais provável do Índice Bovespa para o mês de julho era o repique até os 78 mil pontos. Bingo. E melhor. O IBOV foi além do previsto por mim, ultrapassando o patamar dos 80 mil pontos.

A tendência de curto prazo, no gráfico diário, é claramente de alta. Todavia estamos diante de uma importante barreira: a média de 20 períodos no semanal, o que pode segurar momentaneamente a recuperação do IBOV. Inclusive no dia de hoje, o candle formado no gráfico diário do IBOV sugere uma correção para os próximos dias, em direção a média de 20 períodos (o mercado ganharia fôlego para buscar no futuro novas máximas). Veja o gráfico diário:



Para o mês de agosto, o fechamento dessa semana será decisivo: fique atento ao candle de fechamento e ao volume financeiro negociado nessa semana, que poderão indicar o rumo das próximas semanas de agosto.

Outras barreiras: o IBOV está em cima da média de 200 períodos do gráfico diário (relembrando, essa média é um grande divisor de águas no mercado: BULL x BEAR Market) e também da retração de 61,8% de todo o movimento de baixa, iniciado em meados de maio. Outro ponto negativo: já são cinco semanas consecutivas de alta! Reveja o gráfico inicial (semanal).

Dois pontos positivos: o fluxo estrangeiro voltou a ficar positivo em julho. E, se o IBOV romper com força os 80 mil pontos, a próxima barreira é o topo histórico (potencial de alta de 10%).

Passando para o cenário político. O processo eleitoral começará de verdade no mês de agosto. Prepare-se para o aumento da alta volatilidade. Se um candidato de centro-direita despontar, o IBOV vai junto, mas se a esquerda ganhar força, o IBOV poderá realizar de maneira mais forte.

O dólar perdeu força no último mês, mas provavelmente ganhará peso no próximo mês, por se tratar de um hedge natural em períodos binários, como o pré-eleitoral.

O que fazer neste mês? Vejam as minhas ponderações:

1.      
Como comentado, o fechamento dessa semana poderá ser decisivo.
2.       O aumento da volatilidade em agosto é praticamente certo.
3.       Se no mês passado, o risco-retorno na compra era muito bom, agora o risco aumentou significativamente.
4.       Realizações parciais de lucro devem ser aventadas.
5.       Eu, particularmente, evitaria abrir novas posições compradas. Por outro lado, manteria a carteira até o surgimento de algum sinal mais forte de correção.
6.       Uma estratégia interessante seria montar alguma ferramenta de hedge, usando derivativos e comprando dólar.

Em resumo: continue aproveitando a recuperação do mercado nacional, mas tome bastante cuidado. Busque um sinal mais claro de reversão de tendência. E prepare-se para o forte aumento da volatilidade: a montanha russa do mercado está próxima!

MJR


* As opiniões postadas no blog são apenas posições do autor sobre o tema, e não constituem em si, recomendações de compra ou venda de ativos.